O carisma é um dom?

Descrito pelos gregos antigos como o “presente da graça”, o carisma é aquele elixir que vemos em algumas pessoas, líderes e influenciadores que os tornam mais queridos e admirados.

A maioria das pessoas pensa que você tem que nascer altamente carismático. Não é necessariamente um talento inato.

Em um artigo recente do New York Times, Bryan Clark argumenta que “carisma é um comportamento aprendido, uma habilidade a ser desenvolvida da mesma maneira que aprendemos a andar ou praticar o vocabulário ao estudar um novo idioma.

• O carisma pode ser aprendido? Sim!!! Definitivamente, você pode aprender a desenvolver seu carisma

• O carisma é sinônimo de perfeição? Há um equívoco comum de que pessoas altamente carismáticas são perfeitas. Mas este não é o caso!

Vamos ver o que a ciência diz sobre isso?

O psicólogo Richard Wiseman conduziu um estudo em que duas atrizes vendem um liquidificador para frequentadores de shopping. A atriz nº 1 teve uma apresentação perfeita e produziu um smoothie perfeito. A atriz 2 fez uma ótima apresentação, mas “acidentalmente” esqueceu de fechar a tampa e o smoothie espirrou em cima dela.

A atriz nº 2, a mulher “desajeitada”, foi considerada mais agradável. Wiseman descobriu que sua vulnerabilidade a humanizou e, portanto, aumentou sua influência sobre o público. Quando admitimos nossa fraqueza, os outros se conectam a nós e nos consideram mais agradáveis.

• Pessoas carismáticas são ótimas comunicadoras

Você já deve ter ouvido a frase: “Você tem dois ouvidos e uma boca”. Pessoas carismáticas sabem ouvir e ouvir bem. Eles mantêm a proporção de 2: 1 entre ouvir e falar.

Resumindo:

1. O Carisma pode ser aprendido.

2. Pessoas carismáticas reconhecem suas vulnerabilidades.

3. Os carismáticos mais do que falar bem, sabem escutar.

Pense nas pessoas carismáticas que você admira… e tente reconhecer os 3 insights que compartilhei hoje.

Comunicação Inspiradora | Steve Jobs

Conhecido mundialmente por ser criador da Apple, suas ideias revolucionaram o uso de computadores pessoais, o consumo de músicas e a forma como usamos os celulares hoje em dia.
Não posso negar que sou “super” fã desse  homem!

Segundo C. Gallo, “Steve Jobs não faz apresentação. Ele oferece uma experiência”.
Fantástico, não é?
Bill Gates (CEO da Microsoft) assumiu em uma entrevista em 2014 que uma característica marcante de Jobs que ele nunca teve foi o CARISMA.
E o que o tornou tão carismático?
– Tom de voz variado. Seu discurso tem uma curva melódica que impressiona.
– Volume também variado. Em alguns momentos fala mais forte e em outros mais fraco, prendendo a atenção da audiência.
– Usa ênfases marcando as palavras essenciais, com uma média de 5 palavras enfáticas por minuto.

E tudo isso com muito treino e ensaio!!!
Sua esposa comentou em uma entrevista que ele passava horas andando pela casa e falando seu discurso exaustivamente.

E você? Costuma ensaiar antes de uma aula, palestra ou vídeo? Ou vai direto?
Conta aqui pra mim.

Comunicação Inspiradora | Papa Francisco

Papa Francisco nasceu em Buenos Aires, na Argentina, foi anunciado Papa em 2013 e é o primeiro Papa latino-americano. Estudou e se diplomou como técnico químico. Papa Francisco é um homem de hábitos comuns e de imenso apreço pelos mais humildes.

Quais são as qualidades inspiradoras em sua comunicação?

1. Se conecta com as pessoas

O Papa Francisco faz muitas “caminhadas” onde aperta as mãos, acena, fala com as pessoas e tira selfies. Ele passa menos tempo no papamóvel, e mais tempo no meio da multidão. Até conta no Twitter tem.

2. Usa uma linguagem simples

Conta histórias fazendo contraponto com atualidades, e assim as pessoas se lembram e se identificam.

3. Fala com o coração

Ao contrário de seus predecessores, o Papa Francisco raramente lê um texto preparado ou usa um teleprompter. Para deixar as pessoas motivadas, ele diz que não precisa de anotações escritas por outra pessoa.

Fantástico, não é?
Que seja uma inspiração para potencializarmos o nosso carisma, de maneira genuína.

Você se considera bom ouvinte?

Em uma conversa, você se distrai facilmente?

Isso pode colocar em jogo a atenção que você dá ao seu ouvinte.

Como escutar é uma habilidade, podemos melhorar a forma como ouvimos.

Ouvir com autenticidade pode ser desafiador! Ouvintes eficazes tendem a ser melhores líderes e aprendizes.

Alguns estudos mostram que gastamos:

9% escrevendo

16% lendo

30% falando e

45% ouvindo.

A maioria das pessoas não sabe que ouvir é uma habilidade de comunicação que usamos com mais frequência, e a maioria de nós é péssimo em ouvir.

Na nossa sociedade priorizamos a habilidade de falar, se expor com clareza. Associamos FAMA a palestras, liderança, com a forma de expor as ideais em uma reunião, com um argumento bem fundamentado e um pitch de vendas infalível.

Vamos fazer um teste para vermos como está o seu poder de escuta. Pense na última conversa que teve… lembrou?

Agora pense qual foi a frequência que você estava falando e ouvindo? Se dividisse esse tempo em porcentagem, qual seria a porcentagem de cada um? Segundo a regra 80/20, se você falou 80% e ouviu 20%, então, sinto lhe dizer que você precisa ouvir melhor! Para ser um ouvinte eficaz, faça o contrário! Escute 80% do tempo e fale somente 20%.

Um dos melhores presentes que podemos oferecer aos outros é a nossa atenção total ao ouvir.

Conte aqui para mim como você se saiu nesse teste.

Link Vídeo: https://youtu.be/mEOiBcPz8UM

3 Lições para aprendermos com a comunicação da líder Jacinda Ardern

Jacinda Ardern é a primeira-ministra na Nova Zelândia e tem sido destaque por sua Comunicação efetiva falando do Coronavírus.

Quem se lembra que durante a Páscoa, o país estava em isolamento e diante de uma pergunta em uma coletiva sobre o Coelhinho da Páscoa, ela comentou: “Como vocês podem imaginar nesse momento, eles estarão bem ocupados com suas próprias famílias e seus coelhinhos. Se o coelhinho da Páscoa não chegar à sua casa, temos que entender que é um momento difícil para ele conseguir ir a todos os lugares”. 

Que sensibilidade, não é? Fantástico!

Veja os grandes diferenciais que ela tem para falar de um assunto tão importante.

1.  Comunicação familiar e inclusiva

Jacinda usa ferramentas familiares, como o Facebook (60% da população da Nova Zelândia usa essa rede), fazendo bate-papos ao vivo. Ela responde perguntas e permite a participação do público, tornando sua comunicação mais próxima e familiar.

2.  Comunicação Humanizada

E estilo de liderança de Ardern foi descito como empático, claro e conciso, usando uma linguagem casual e de fácil entendimento, o que a torna mais acessível e igual em uma conversa com a população.

3.  Comunicação transparente

Quanto mais transparente, mais vínculos leais se criam, e Ardern faz isso. Sua transparência faz com que as pessoas tenham aderência a cada proposta.

Me conte outra personalidade que você admira como COMUNICADOR.

COMO USAR O ZOOM, SEM SENTIR CANSAÇO

Você sabia que nós gastamos 2 trilhões de minutos em conferências no Zoom somente no mês de abril?

E isso trouxe à mídia um conceito conhecido como Zoom fatigue! Já ouviu falar?

Essa é uma expressão que indica o cansaço mental, esgotamento depois de muitas chamadas de vídeo.

Os especialistas dizem que a tecnologia está sobrecarregando o nosso cérebro.

As pessoas se sentem exaustas após a videoconferência (Virginia’s Norfolk State University).

Cansaço Fernanda? DESDE quando ficar em frente a uma tela causa cansaço?

Sim, nosso cérebro tem que trabalhar muito mais nas vídeo conferencias para ler as pessoas, para se concentrar e driblar todos os estímulos que a audiência recebe enquanto estamos falando.

Hoje vou compartilhar 3 dicas, para você que já sentiu esse cansaço.

1- Torne a reunião mais natural

Ao invés de manter a sua tela compartilhada em uma apresentação o tempo todo, mantenha a imagem da pessoa com quem você está falando em tela cheia, sempre que possível. Isso te dá a vantagem de observar as microexpressões faciais, os gestos e os sinais que ela transmite durante a reunião, ou seja, assim você torna o ambiente virtual mais próximo e mais intimista.

2- Ative o cérebro social

Segundo um estudo de 2014, do conselho de pesquisa médica do Reino Unido, as pessoas que mantém o contato visual direto com outras pessoas ativam uma área do cérebro chamada de: cérebro social. Essa parte do cérebro permite uma interação social genuína, o que torna a interação mais prazerosa, mais leve e mais fluida.

Mas, isso só acontece se olharmos para a câmera!

Lembram da oxitocina, o hormônio da conexão que falei no último vídeo? Ele é liberado sim virtualmente, desde que a gente siga essas recomendações.

3- Dê um tempo para você mesmo

Se você fica ansioso antes de uma conferência, mude sua rotina e incorpore algo que você gosta de fazer, eu por exemplo: ouço uma música que me deixa animada, feliz, ou faço uma chamada de vídeo com a minha família, ou dou uma corridinha na esteira. Assim já reduzo os níveis de cortisol, o que já diminui o nível de estresse.

E agora?

Com essas recomendações fica mais fácil driblar o Zoom Fatigue.

Me conta aqui, se você tem ficado muito tempo na frente da tela e qual outro sinal de cansaço você já notou.

Um forte abraço, Fernanda de Morais

Comunicação Inspiradora | Michelle Obama

🗣🎤
Foi a primeira-dama na Casa Branca, esteve no palácio de Buckingham, cantou e dançou rap em uma situação, falou em escolas… contextos completamente diferentes, e em cada um deles deu um show de oratória.
Veja algumas técnicas usadas por Michelle Obama.

  1. Seu discurso é personalizado com histórias, e contar histórias é uma das melhores ferramentas retóricas para estabelecermos conexão emocional com a audiência.
  2. Ela usa outro recurso retórico que é a “anáfora”, repetição de uma mesma palavra algumas vezes. Isso torna a mensagem fácil de ser entendida. Por exemplo: “Falando bem você torna sua marca mais forte. Falando bem você amplia seu networking. Falando bem você fecha mais negócios.”
  3. Sua mensagem é recheada de emoção. Em alguns momentos traz histórias tão marcantes para ela que sua voz embarga, e é claro, há uma estrutura por trás disso.

E um último aprendizado é lembrarmos que: “AS PESSOAS TOMAM DECISÕES POR RAZÕES EMOCIONAIS E DEPOIS AS JUSTIFICAM COM RAZÕES RACIONAIS”, ou seja, atrelar emoção às evidências pode ser a chave de uma comunicação inspiradora e influente.

Me conta qual outro comunicador inspira você!

Hormônio que ajuda a conectar pessoas

Você já ouviu falar no hormônio da conexão?
Um hormônio que quando tem os níveis altos, aumentam o engajamento com as outras pessoas.

Se você precisa influenciar, vender as ideias e serviços no seu dia a dia, esse vídeo é para você.

O nome dele é a oxitocina.
O mesmo que ajuda na amamentação é o responsável pelas relações de confiança segundo o neuroeconomista Paul Zak (universidade de Claremon, California).

À medida que fazemos contato visual, a oxitocina é liberada e nossas pupilas dilatam, e assim a outra pessoa tende a confiar mais em nós.
De uma forma resumida, quando alguém interage com você de uma maneira positiva, seu cérebro libera oxitocina. Isso o motiva a retribuir o favor e a tratar a outra pessoa de maneira igualmente positiva.

E como estimular a oxitocina?

  1. Mantenha a outra pessoa confortável. Um dos fatores que inibem a oxitocina é o estresse. Se você estressar alguém, esqueça a oxitocina.
  2. Esteja 100% presente no encontro, valorizando a outra pessoa e criando um ambiente agradável.
  3. Seja transparente. A oxitocina está diretamente ligada aos comportamentos verdadeiros e transparentes.

Alem de estabelecer a confiança, também pode reduzi-la. Por isso, fique atento.

E no próximo vídeo vou compartilhar se esse hormônio também é ativo nas lives e videoconferências.

****O que você acha disso? Falar em frente a uma câmera ativa a oxitocina?

Espero você!!

Ah, veja mais vídeos como esse em meu canal do YouTube:

https://www.youtube.com/channel/UC-j2uYQ2x_yYHb_epayZnmA

O Poder da Expressão facial em tempos de pandemia

Você já notou que nos últimos meses a nossa comunicação acontece ou com uma máscara facial ou por uma tela de celular ou notebook?

Pois é, e por esse motivo a expressão facial cada vez mais é essencial para transmitirmos uma mensagem coerente, correta e com emoção.

O olhar diz tantas coisas… até Shakespeare disse: “O olhar é o espelho da alma”.

Você lembra de quando seus pais nem precisavam falar, mas só de olhar para você… já dava para entender a mensagem?

E qual é a expressão no olhar ideal, Fernanda?

É aquela que combina com o que falamos. Por exemplo: se você contar uma história triste, seu olhar vai demonstrar isso, já se a mensagem for alegre, provavelmente você irá abrir mais o olhar e até elevar suas sobrancelhas.

Uma boa forma de observar se existe harmonia, é você falar em frente a um espelho. Conte uma história e observe se suas expressões foram coerentes com a mensagem.

Ah, evite falar olhando para cima ou para baixo. Demonstre que você conhece o assunto e tem propriedade para falar sobre ele.

Você já reparou em suas expressões faciais?

– Treinamentos Competência Comunicativa online: WhatsApp 11 98489-6592

Dica de Filme: “O Discurso do Rei”

O filme O Discurso do Rei, conta a história do príncipe da Inglaterra, Albert, que é gago desde a infância e sofre devido à dificuldade em se expressar, pois precisa fazer discursos com grande frequência.

Apesar de já ter passado por diversos médicos, ele nunca conseguiu encontrar resultados eficazes. Quando o Albert conhece Lionel, sua realidade começa a mudar. Lionel é um terapeuta da fala que o ajuda trabalhando as suas dificuldades.

No filme pode-se observar claramente a importância da comunicação para a posição de liderança.

Não basta conhecer o assunto e dominá-lo, sem estar seguro para se expressar.

Você já assistiu esse filme?